Postado em 19/12/2018

Síndrome de Alice no país das maravilhas e a percepção psíquica do mundo físico

O nome pode parecer inusitado, mas a síndrome de Alice no País das Maravilhas é assim batizada porque tem uma característica muito similar à história da menina que vai parar em um mundo paralelo. É que a doença provoca distorções na percepção visual do paciente.

O transtorno é responsável por fazer objetos próximos parecerem desproporcionalmente menores, assim como Alice percebia o próprio corpo na obra de Lewis Carroll. Inclusive, o paciente também pode ter essa noção do corpo.

Apesar dos aspectos visuais, a síndrome está na verdade relacionada a questões psicológicas e neurológicas, tendo sido descrita em 1955 pelo psiquiatra John Todd. Em homenagem a ele, a Síndrome de Alice no País das Maravilhas também é conhecida como Síndrome de Todd.

Como a Síndrome de Alice no País das Maravilhas se manifesta?

O transtorno é mais comum nas crianças e costuma se manifestar durante a noite. Os sintomas normalmente somem na adolescência, mas algumas pessoas ainda experienciam o fenômeno ao longo da vida, principalmente na hora de dormir.

Ao ter a percepção visual alterada pela síndrome, o indivíduo fica desorientado e com os sentidos confusos. Isso acontece por causa de um desequilíbrio elétrico no corpo, que altera o fluxo de sangue no cérebro. Como consequência, a comunicação entre o cérebro e os olhos fica prejudicada, resultando nos sintomas.

Mas a Síndrome de Alice no País das Maravilhas também pode ser causada por outros motivos, como epilepsia do lóbulo temporal. Nesse local, podem surgir convulsões, com possíveis reações intensificadas de euforia, medo ou paranoia.

Outras causas possíveis são dor de cabeça, tumor cerebral e o vírus Epstein-Barr. Já as enxaquecas fortes estão entre os motivos mais comuns.

Quais são os sintomas do transtorno?

A maioria dos sintomas da Síndrome de Alice no País das Maravilhas tem fatores psíquicos. Os principais deles são a percepção alterada da imagem corporal e do tamanho de objetos próximos. Outros sentidos também são afetados, como a audição e o tato.

Há ainda uma sensação diferente de tempo, que pode ser mais rápido ou demorado para passar. Dentro desse contexto, os sintomas podem evoluir para alucinações em que o indivíduo enxerga itens e objetos que não estão presentes de fato.

Existe tratamento?

Antes de se preocupar com tratamentos, é importante saber que o transtorno não é grave e tampouco causa prejuízos cognitivos à pessoa. Dito isso, o tratamento mais recomendável é basicamente o repouso e descanso.

Os tratamentos mais assertivos para diminuir a frequência da Síndrome de Alice no País das Maravilhas, quando provocada por enxaquecas, incluem alterações no estilo de vida, como a diminuição de café, alimentação leve e balanceada e a prática de atividades físicas.

Já os transtornos provocados por problemas de saúde devem ser acompanhados por um profissional especializado, com o acompanhamento de um neurologista. Além disso, um psicólogo também consegue instruir mais especificamente cada caso, acompanhando o tratamento em conjunto com outros médicos.

Se você identifica a Síndrome de Alice no País das Maravilhas em você ou no seu filho, a ajuda profissional irá ajudar a resolver o problema. Agende uma consulta com os especialistas do JM Consultórios e venha nos visitar!