Postado em 14/09/2018

Efeitos do cigarro no corpo: Como as substâncias prejudicam a saúde

Alguns hábitos são tão prejudiciais ao organismo que mesmo quem os pratica tem ciência disso. Esse é o caso de quem fuma; os efeitos do cigarro são inclusive destacados na própria embalagem. Mas os danos que suas substâncias químicas provocam vão muito além do que o senso comum prevê.

Você sabia, por exemplo, que o cigarro pode causar em torno de 50 diferentes doenças? Os efeitos do cigarro são mais conhecidos pelos problemas respiratórios, circulatórios, disfunção sexual e o surgimento de câncer. De fato, boa parte das doenças está relacionada a esses fatores.

São várias as substâncias químicas que alteram o funcionamento do organismo. Entre as mais conhecidas e perigosas, estão a nicotina e o monóxido de carbono (CO), que interferem principalmente nos sistemas respiratório e sanguíneo.

Conheça a seguir alguns problemas de saúde que os efeitos do cigarro desenvolvem no corpo!

Cânceres variados

O câncer é a consequência mais ressaltada nas campanhas contra o fumo. O indivíduo fumante está mais propenso a desenvolver diversos tipos da doença, sendo o câncer de pulmão o mais óbvio. Esse é inclusive a principal causa de morte por câncer no mundo.

Os riscos do cigarro também incluem câncer na boca, na laringe, no estômago, no fígado, entre outros lugares. O principal vilão para o surgimento dessas doenças é o alcatrão, substância com vários elementos cancerígenos, como chumbo, polônio e arsênio.

Problemas bucais

Além do risco de câncer de boca, a região que inicia o contato com o cigarro está sujeita a diversas alterações por conta das substâncias químicas. Alguns efeitos do cigarro são mau hálito, gengivite, cáries e dentes amarelados ou até apodrecidos. O paladar também é alterado, perdendo parte da sensibilidade ao sabor dos alimentos.

Dores de cabeça

A dor de cabeça é um dos sintomas da oxigenação mais baixa provocada pelo CO na corrente sanguínea. Esse efeito acontece com mais frequência em quem se torna dependente, quando fica horas sem fumar.

Isso acontece porque o corpo se acostuma à presença do CO e, no período de abstinência, a corrente sanguínea começa a voltar ao normal. A reoxigenação do sangue se torna um cenário anormal, o que faz o organismo reagir por meio das dores de cabeça.

Dificuldade para respirar

A redução do fôlego dos fumantes tem uma explicação nos efeitos do cigarro. A ação química é responsável por diminuir a elasticidade das paredes pulmonares, o que dificulta o armazenamento de ar. Os tecidos ficam mais rígidos, o que é frequentemente visualizado nas chapas de exames que revelam uma superfície escura.

Alterações na corrente sanguínea

Além do câncer, outro efeito do cigarro que recebe bastante alerta nas campanhas antitabagismo é o risco de infarto. É justamente pela redução da oxigenação do sangue que o organismo fica suscetível a problemas cardíacos e de pressão. Os vasos sanguíneos também ficam bastante contraídos, diminuindo o fluxo da circulação.

Com isso, o indivíduo pode sofrer episódios extremamente perigosos, como infartos aneurismas e derrame cerebral. Os vasos também podem entupir, causando tromboses e, por vezes, a necessidade de amputar membros.

Problemas de estômago

As substâncias químicas do cigarro não seguem somente para o pulmão e a corrente sanguínea. Parte delas é metabolizada pelo estômago, o que causa disfunções no sistema digestivo. O fumante pode desenvolver náuseas, gastrite e úlceras, além do próprio câncer de estômago.

Agora que você aprendeu mais sobre como as substâncias do cigarro agem no organismo, que tal parar de fumar? Quanto mais tempo longe dessa química nociva, mais a sua saúde melhorará.  Em aproximadamente três semanas, a sua respiração já voltará ao normal!

E se você já sente os efeitos do cigarro no seu corpo, vale sempre aquela dica infalível: consulte um médico e faça os exames para o diagnóstico e os procedimentos de tratamento!

Acesse o site do JM Consultórios e agende a sua consulta com os nossos especialistas!