Postado em 10/07/2017

Como adaptar a dieta para diabéticos

Infelizmente, o número de pacientes com diabetes aumenta cada vez mais rápido no país, o que já a classifica como uma doença epidêmica. Embora não exista uma cura para o problema, é possível viver bem ao adotar um estilo de vida mais saudável. Atividades físicas e uma boa alimentação são a chave para controlar a doença. Esses hábitos são estratégicos para baixar o nível de glicemia, reduzindo os sintomas e impedindo que o quadro se agrave. Descobriu ser diabético e está em dúvida de como deve ser a alimentação a partir de agora? Hoje vamos mostrar como montar uma dieta para diabéticos, desde o que deve ser excluído do cardápio até os alimentos mais indicados.

É proibido comer…

Todo mundo sabe que diabéticos precisam evitar alimentos com alta quantidade de açúcar. Por isso, substituir os doces por frutas pode ser uma boa opção, mas é preciso cuidado. Mesmo as frutas sendo alimentos naturais, não estão totalmente liberadas e devem ser consumidas em quantidades reguladas. Já o mel, também natural, deve ser evitado tanto quanto o açúcar.

A grande questão do açúcar é que ele é um carboidrato, ou seja, não é o único problema do diabético. Os carboidratos estão presentes em vários alimentos e influenciam sumariamente nos níveis de glicose e taxas de glicemia. Pães, pizza e arroz são só alguns exemplos de alimentos que precisam ser substituídos por opções integrais. Na dieta para diabéticos, deve-se evitar ainda o consumo de sal e alimentos gordurosos, controlando assim os índices de colesterol. Mantenha distância de frituras, bolos comuns, carnes gordas etc.

O que incluir na dieta para diabéticos

A alimentação para diabéticos realmente é muito restrita, mas ainda sobram várias opções para manter um cardápio nutritivo e saboroso. O ideal é optar por bastante fibras e alimentos integrais para manter o organismo saciado. Vegetais e cereais são alimentos que podem até possuem carboidratos, mas a combinação com a fibra os transforma em opções saudáveis. A importância dessa substância está na função de reduzir a absorção de glicose no sangue.

As carnes também estão permitidas, desde que pouco gordurosas. Uma opção interessante são os peixes, principalmente os mais ricos em ômega. Salmão, sardinha e atum ajudam a balancear a dieta, então aquela visita ao seu restaurante japonês preferido ainda está de pé. A proteína no geral pode ser consumida à vontade, mas sem exageros. Leite, ovos e queijos leves são algumas opções.

Quanto aos óleos, a melhor escolha para preparar suas refeições é canola e linhaça. Isso porque esses tipos ajudam a reduzir a resistência da insulina e melhoram o rendimento cardíaco. Óleo de coco, óleo de oliva e manteiga também podem ser consumidos.

Agora, uma boa notícia: se você é um chocolover, nem tudo está perdido. Você pode sim comer chocolate! Tudo bem que seja um doce, mas é possível consumir moderadamente os tipos que possuem acima de 85% de cacau.

É importante lembrar que toda dieta especial deve ser monitorada por um médico ou nutricionista experiente, que saberá identificar o melhor para cada caso. Procure realizar as consultas com um médico só. Descubra a importância de um médico de qualidade e entenda por que você precisa ter o seu profissional de confiança.